15.7.06

Mood: Beck Live, Tropicalia




... Porque acompanha bem uma caipirinha ou um fim de dia de praia. Umas boas férias a todos aqueles que por aqui vão passando. Obrigada pela vossa companhia. Até mais...ler.

11.7.06

Mood: Fiona Apple, Sullen Girl


Já me esqueci das palavras certas para te usar no papel
... uma espécie de amnésia com nome de desgosto,
ou de recordação a desejar-se de esquecimento.

Já não me lembro bem.

9.7.06

Mood: Carlos Paredes

Cruzei-me contigo algures pela cidade
ou sem querer num canto da boca
ou de uma nossa humidade.

Somos da pele quente os olhares encostados
beijo aberto, de bocas se queimando
E gostar-te é nada disto. Basta saber-te por aí.

Cabias-me inteiro. Tu,
as palavras idiotas, as sobriedades tão tortas.
As bocas, e os mundos se mordendo.

E a vida assim doendo.
no chorinho-mel do fado
neste olhar desajeitado,

a tropeçar-me de abraço negligente
a tudo o que não fora
um beijo mais quente.

Perder-me-ia pela cidade, pela rua
num canto desta boca, ou da tua
para degustar-te apertado
de lábio roído e sangue amordaçado.

Soltá-lo,
ao egoísmo da febre.

[Finalmente, sossegámos o bicho inquieto que nos habita,
no silêncio dos olhos, na quietude da pele.
Em madrugadas de ombros azulados...]



5.7.06

Mood: Zero 7, In The Waiting Line


Nenhum relógio pára na hora da morte.
Nenhum avisou tua chegada, tua morada ou minha sorte
E do tanto que esperei por ti receio um dia me atrasar.
Por isso faz tempo que me zanguei com o tempo de me encontrar.

Não me sinto, não me revejo neste cansaço
desconfio que me perdi algures num abraço,
num embaraço. Já não sei.

Estas noites demoram demais. A vida dura demais,
pedaços de mundo moribundo aos poucos
longe da vida tenra que prometia caminhos loucos

Sou sorriso murcho de cores garridas
reflexo esquecido dos vincos das lutas renhidas
Sou cinza sombra que comanda o tempo sem tempo
envelheci o que há por fora para não morrer por dentro

Cerro olhos lavrados de esperar
e espero que a vida os resgate àquele abraço
ao meu embaraço, ainda a tempo de me encontrar.
Já não sei.

…Cá por dentro, pesa o relógio a pendular
que todas as cadências têm o seu tempo,
e que nem tudo se resgata, mas tudo segue
não a meu tempo…a seu tempo,
tempo de seguir ou terminar.



1º Post conjunto
Texto: Penumbra & Mood
Foto por: Afonso Duarte