20.12.05

Mood: aquele que quiserem...



Cabe perfeita, a imperfeição
quando minha mão na tua mão
vira direito o mundo avesso
sob olhar manso travesso.

Uma mão em outra mão
e perto deste abraço, rente à paixão
o mundo é mel, é direito
tudo o resto é lugar estreito.

Acorda dessa manga
os teus dedos, tua zanga.
Mal o mundo se ameace certo
ameaça-o aqui bem perto.

Roubado o toque com a boca
não é assim tão mau ser louca
e se a voz pesar profunda suada
mordo a vertigem mal calculada.

No olhar que promete
beijos, e um mais travesso,
viramos num segundo
este fôlego do avesso.

Cabe perfeita, a imperfeição
entre a minha mão e a tua mão
Chega p'ra cá mais um pedacinho
vamos estreitar o que sabe bem,
e demorar um bocadinho.

Porque soa inteira, esta imperfeição
de ouvir inteiro o meu peito
entregue tão perfeito à tua mão.