Ontem resolvi não morrer.

Ontem resolvi não morrer.
Recuso-me a deixar a carcaça
é de pão retardado
mas é minha
não a abandono.
Acabou, assunto encerrado.
Ontem decidi ser imortal
Venha quem venha
Gabriel ou o da enxada
Não me leva senão arrastada
Viverei milhão de anos
E não cansada
outros mil
E se a vida ficar difícil de suportar
bebe-se um copinho
para a animar
Quem consegue partir
sem saber o final da peça?
Eu cá vou ficando
Umas vezes de pé, outras tropeçando
Pois se só agora a vida começa
Pregava-lhe eu tal peça?
Não, eu não.
Fico para assistir ao fim dos dias
às tréguas dos homens
os hinos à vida
a cura dos males
Fico mesmo que escondida
Porque todos os dias 
a vida me provoca
Vem de rompante...nem bate à porta
Ansiosa por ser vivida

Comentários

Anónimo disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

Mensagens populares