31.3.05



...E no entanto haverá forma mais hipócrita de se estar estupidamente só?.... Posted by Hello

30.3.05



Dia após dia...
Só queria deitar-me sobre ti
aninhar-me no teu peito denso
cativá-lo na necessidade das mãos
prendê-lo à gula dos olhos
Só queria deitar-me sobre o teu cansaço
e contê-lo no meu abraço
comunicar-te no silêncio do toque
tudo aquilo que me leva a desejar-te
...a precisar-te tão perto.
Posted by Hello

29.3.05

Donna Maria ao vivo no Santiago Alquimista


Fotografia: Patrícia Alexandrino
24 de Março- Santiago Alquimista



E pronto...lá rumaram eles em direcção ao sucesso que os espera.
Os Donna Maria fizeram a apresentação do seu álbum de estreia 'Tudo é para sempre' na passada 5ª feira no Santiago Alquimista em Lisboa.
E eu que tive o privilégio de lá estar e, na fila de frente, passei metade do concerto arrepiada. Arrepiada de corpo e alma, que os Donna Maria não fazem por menos.
A voz de Marisa Pinto e a música de Miguel A. Majer e Ricardo Santos transpira a essência portuguesa nomeadamente a Lisboeta. E quem vive a cidade no esplendor do seu rio, das suas ruas típicas, da sua luz revê-se nas letras e nas músicas desta banda. Lisboa mudou muito; hoje ela possui o charme de uma cidade que casa o típico com o inovador resultando numa estética que lhe é única. Donna Maria parece nascer neste enquadramento e testemunhá-lo através da sua produção. Torna-se impossível não mergulhar nela, na paixão de sentir uma cidade e a sua voz traduzidas em música.
Donna Maria cheira a amor romântico, a fado em alfama, a bar fashion no bairro alto, sabe a água fresca do chafariz, a sol de inverno à beira do rio, evoca o cacilheiro, o eléctrico, o pregão do pão. Donna Maria para mim é Lisboa.
Eu trouxe de lá os meus arrepios à mistura mágica de um som electrónico com o mais genuíno do fado...o acordeon e a guitarra portuguesa.Eu trouxe de lá um bocadinho da minha cidade.
E sugiro a quem mais a queira encontrar que lá vá.


Donna Maria no dia 5 de Maio ao vivo no Santiago Alquimista

Informações em:
http://www.donna-maria.blogspot.com Posted by Hello

24.3.05



foto: Mitsuo Suzuki



Hoje a tua falta queima-me

Hoje a tua ausência é insuportável

Hoje és-me dor

e de uma forma tão doce

que querer-te mais

até poderia parecer amor
Posted by Hello

18.3.05

Beijo


Este texto seguiu juntamente com outros para um passatempo. Mas está aqui para ser partilhado...

Fizeste desse um eterno verão
ao pegar na minha mão
Gravaste em mim o cheiro dos dias
quando eu ainda era tudo o que querias
Entravas pla porta da frente. Nem batias
Era tua, eras meu. E amor só havia o meu e o teu

Já não estás comigo
E às vezes ainda consigo
sentir-te no vento da estação
fingir que me levas p'la mão
que sou tua, que ainda és meu
que foi só o amor quem se perdeu

Foi esse o Inverno mais quente
que viveu minha pele ainda hoje dormente
Minha boca atreveu-se em frame parado.
Olhar que transbordou deste peito apertado
que em jeito de lágrima se soltou
E um peso tão pesado
me pregou ao chão e ali me deixou
Ainda hoje parte de mim lá ficou!

Já não estás comigo
E às vezes ainda consigo
sentir-te no vento da estação
fingir que me levas p'la mão
que sou tua, que ainda és meu
que foi só o amor quem se perdeu

e não tu...nem eu
Posted by Hello

15.3.05


E o que é que foi feito daqueles dias em que me ocupei com os afazeres da minha apatia?

De agora em diante só quero água fresca. É o mínimo que exijo de uma Vida que não me dá pistas para nada!
Já que não me orienta...que me refresque. Posted by Hello

10.3.05



A Arte reconcilia-me com a vida.
A ideia de que há quem respire para produzir [pensar] beleza faz-me bem à ignorância
.
Posted by Hello

8.3.05

Sinto-me mulher todos os dias. Não precisarei de nenhum dia no calendário para o comemorar. Cada dia a mais é um dia de crescimento e um dia a mais de mulher. (Ou pelo menos tento)
Nestes dias assusta-me a ideia de ver reforçado aquele sentimento feminista que considero extremista. Não sou feminista. Não compreendo a sua lógica. Sou a favor da diferença e da diversidade, nomeadamente entre os sexos. No meu entender é a complementaridade que dá beleza ao encontro entre os géneros.
No entanto e apenas porque existem ainda muitas mulheres em condições que ofendem a dignidade humana, não posso deixar de sinalizar este dia. E apenas o faço como um sinal de esperança de que há-de chegar o tempo em que se conseguirá (respeitando as diferenças) chegar a um patamar de igualdade ao nível dos direitos humanos.
Não deixo de achar no entanto que, por mais bonito que seja premiarmos hoje a mulher que nos é mais próxima com flores, não é isso que faz a diferença...mas também não sei dizer o que fará... Posted by Hello

3.3.05




O quarto à meia luz do candeeiro
são assim sempre estas noites
prenúncios de calmaria ou tristeza
de quem abandona mais um dia ilesa

Os balanços, este e naquele amigo
o que será dele, de mim
No percurso que parece não ter fim
de nunca mais chegar ao desejo profundo

Preciso de mais pistas
para fazer face ao mundo
E a vida, o que ela nos faz a cada dia
se película doce ou sofrida
São minhas sombras na parede
meus fantasmas, meus sorrisos.
memórias do dia, semana, do mês
ou aquilo que o tempo de mim fez

Sou eu que o controlo
é ele que me dita o movimento? Sou eu sim
a determinar, que o penso
em cada pedaço de amanhã que deito
quando adormeço.
Posted by Hello

1.3.05

Quem se lembra da doçura do primeiro beijo?  Posted by Hello